1. Biblioteca de conhecimento
  2. Setores e aplicações
  3. Desafios ocultos do uso de conduítes de plástico na fabricação de material circulante

Desafios ocultos do uso de conduítes de plástico na fabricação de material circulante

Desafios ocultos do uso de conduítes de plástico na fabricação de material circulante

A digitalização no setor de transporte não é uma tendência nova, mas com os recentes avanços nas tecnologias digitais, surgem novos desafios para projetistas e fabricantes de material circulante. Sistemas de informação aos passageiros, infoentretenimento, sensores e CCTV são essenciais para o transporte ferroviário moderno e seguro. Esses elementos impulsionam a necessidade de novos dispositivos de hardware e maior capacidade de comunicação de dados. Isso também requer proteção eficiente de penetrações de conduítes de plástico.

Os dados transmitidos por uma rede Ethernet estão se tornando a norma, mas a transmissão de dados mais rápida tem um custo. Novos dispositivos de hardware adicionam peso ao veículo ferroviário e reduzem o espaço disponível para os passageiros. Além disso, mais cabos de dados e sinais aumentam ainda mais o peso do veículo. Para se manterem competitivos, os fabricantes precisam encontrar maneiras de evitar o aumento líquido do peso do veículo e permitir o mesmo número de passageiros a bordo. O uso de energia e o custo operacional afetam o resultado final para os proprietários de material circulante e devem ser gerenciados pelo fabricante. Uma abordagem sistemática que abrange materiais leves e a otimização do sistema é uma maneira de os fabricantes mitigarem e compensarem esses desafios.

Conduítes para chicotes de cabos

Um passo importante para os fabricantes superarem os desafios é agrupar cabos e fios em chicotes e passá-los por meio de conduítes. As práticas recomendadas na fabricação de material circulante afirmam que os cabos com diâmetros externos pequenos devem ser protegidos por conduítes e apoiados adequadamente por motivos de segurança, confiabilidade e manutenção. Isso torna a vedação das penetrações de cabos menos exigente em termos de espaço, pois cabos e fios passarão por menos aberturas. A vedação de cabos e fios individuais um por um exige muito espaço. Para gerenciar conduítes que passam por paredes e pisos, o uso de conectores e adaptadores é comum. Os avanços na tecnologia de conectores reduziram seu tamanho, mas terminar conduítes e adicionar conectores como meio de gerenciar penetrações está gerando custos e pode ser uma fonte de falhas.

Os conduítes de plástico são mais leves que os metálicos e fornecem proteção eficiente para os cabos, de modo que o uso está aumentando. Portanto, os cabos e a fiação localizados no ambiente hostil da estrutura inferior também costumam passar por conduítes plásticos flexíveis. À medida que passam para o compartimento de passageiros ou a cabine do motorista, eles terminam com um conector final em um dispositivo de energia ou comunicação.

Proteção contra incêndio em veículos ferroviários

Os regulamentos para instalações elétricas estabelecem uma certa proporção de preenchimento entre "cabo e espaço" que deixa bastante espaço aberto dentro do conduíte, mesmo quando a capacidade máxima permitida do conduíte é usada. Ainda outro dilema surge para o fabricante, pois o conduíte deve ser vedado contra água, poeira e fogo ao passar por paredes e pisos com classificação de incêndio. Em caso de incêndio, um conduíte de plástico que passa por uma parede corta-fogo derrete e cai, deixando um buraco na parede pelo qual as chamas podem se propagar. Os conduítes não devem ser preenchidos com mais de 60% da área de seção transversal com cabos, portanto, mesmo em um conduíte preenchido até o máximo permitido, haverá um buraco após o conduíte. Para satisfazer os requisitos da norma EN 45545-3, "proteção contra incêndio em veículos ferroviários", as chamas não devem passar para o outro lado da parede dentro do tempo de classificação da parede, por exemplo, E30.

cm_pps_small.jpg

Vedação de conduítes em paredes corta-fogo

Em caso de incêndio, o buraco aberto deve ser bloqueado para evitar que o fogo se propague. Soluções de vedação com material intumescente que derrete quando exposto ao calor existem no mercado, na forma de vedantes, passagens de cabos e conduítes e sistemas adaptadores. O material intumescente expande muitas vezes seu volume original quando exposto ao calor. O resultado é um carvão leve que é mau condutor de calor e funciona muito bem para proteção passiva contra incêndio. À medida que se expande, o carvão veda todas as cavidades ao redor e entre cabos e fios. Ele bloqueia completamente o buraco e evita que as chamas se propaguem.

Roxtec.01.png

As soluções de passagem de cabos da Roxtec para conduítes plásticos, "PPS", possuem módulos de vedação com material intumescente integrado à base de grafite esfoliado que expande até 35 vezes seu volume original. Com uma temperatura de ativação de apenas +140 °C, a penetração de fumaça e chama é reduzida ao mínimo e a solução de vedação atende até E60 de acordo com EN 45545-3. O módulo de vedação também veda a entrada de água e poeira com IP66, é testado contra vibração de acordo com a norma de material circulante IEC 61373 e satisfaz os requisitos de material das normas EN 45545-2 e NFPA 130. Tudo isso o torna uma solução altamente eficaz para todos os tipos de conduítes plásticos flexíveis para aplicações de material circulante. Além disso, a borracha EPDM que a Roxtec utiliza para seus módulos atende à mais alta classificação de "resistência ao fogo" para borracha, ou seja, "B, S1, d0" de acordo com EN 13501-1 com pouca ou nenhuma geração de fumaça e sem formação de partículas flamejantes.

Conheça as passagens de cabos Roxtec CRF, soluções flexíveis de vedação multifuncionais para penetrações de cabos e conduítes de plástico.

Explore os módulos de vedação Roxtec RM PPS, feitos para fornecer proteção contra incêndio para penetrações de conduítes de plástico.